Total de visualizações de página

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

A FACE DO DESASTRE



C
hegando  à cidade, Alexia vê pela primeira vez o estrago que as bombas causaram. Alguns postes continuam meio tortos, não há uma só vidraça que tenha escapado inteira. Paredes e muros rachados por toda parte, árvores anciãs tombadas. O padre, ao ver que o sino se soltou da torre e se espatifou no passeio, faz o sinal de cruz e cerra as portas da igrejinha. A boa e velha Kombi do sorvete, campeã em trazer alegria aos pimpolhos modestinenses, simplesmente se desmanchou. Nem mesmo os tradicionais violeiros de alpendre, que começam a tocar modinhas logo de manhãzinha para despertar a cidade, puseram a cara para fora de casa.

- Kurt Cobain, que tragédia...- A ruiva se espanta- Nem podia imaginar que a coisa tinha sido tão feia...

Chega ao conservatório e encontra o portão fechado.

- Uai, mas são quase 8:30!- Bate no portão- Seu Elêu?! Seu Elêêêêêu!

O servente, um esquálido senhor em seus sessenta e poucos anos, abre a portinhola e seus olhos quase cinzas se projetam do outro lado.

- Como assim, recesso?
- Pois é, anjo. - Responde o velhinho- Aquelas bomba fez uma bagunça danada no conservatório, sô. Não sobrou uma sala com o piso inteiro. A parede da cantina rachou no meio. Só deus sabe quando vai poder ter aula de novo.
- Não é justo, seu Elêu. Andei quase uma hora a pé com o violão nas costas e fiquei toda suada pra chegar aqui e encontrar o conservatório fechado?!
- A culpa num é nossa, anjo. A cidade toda tá parada, ocê ta vendo, né?
- E agora, eu passo o dia todo aqui sem ter nada pra fazer?
- Vai lá pra avenida. Foi todo mundo pra lá rancar fora a cabeça do prefeito.

Ela suspira, inconformada.

- Paciência, né? Deixa que eu me viro então, seu Elêu. ‘Té mais ver!

Seu Elêu aproveita pra dar uma espiadinha na bunda dela enquanto vai embora.

- Não fosse a patroa ainda tá viva...

AVENIDA GUNTHER ROTSCHEIDER

Assim que as portas da prefeitura são abertas, o enxame de pessoas indignadas invade o hall de entrada. Computadores, impressoras e carimbos pegam fogo com a quantidade monstruosa de pedidos de indenização. Ao prefeito, o que resta é sorrir amarelo e apertar as mãos do povo inconformado. Alexia vem chegando cabisbaixa à avenida e se espanta com a multidão.
 
- Pôxa! E não é que a cidade inteira veio mesmo pra cá? Nem nos comícios de Chicão já vi tanta gente junta, sô!

Vai entrando no meio do povaréu bem à paisana, esbarrando em várias pessoas e acaba tropeçando no pé de uma mulher, que a ajuda a se levantar.

- Mil perdões, moça. Ocê se machu... Alexia?
- Tia Flor? Quê que... Ah, esquece. Já ia perguntando o que a senhora veio fazer aqui...
- Nem te conto, sobrinha... Um desastre só! Aquelas explosão fez a terra chocalhar tanto que as oito varanda do meu prédio despencaram igual um dominó, sô. Sem falar nas vidraça e no Sabata, que acabou quebrando a perna. E, pra variar, sobrou pra síndica aqui resolver tudo.
- Kurt Cobain... Olha, queria muito te pedir desculpas por ontem, tia.
- Desculpas por quê? Até parece que eu não conheço minha filha! Ela só faz o tipo coração de pedra, mas sempre volta pedindo perdão, com aquele olhar de bezerrinha desmamada.
- Ah, mas eu morri de vergonha mesmo assim. A gente já tinha ficado tanto tempo sem aparecer em sua casa, e ela já veio de mão fechada pra cima da senhora...
- Pode escrever, Alexia. Um dia ela ainda encontra um marido que consiga amansar a leoa, e ocê vai ser a madrinha do casamento.
- É, e Kurt Cobain vai voltar...

Risos.

- Eu queria mesmo falar concê de novo. É claro que Bárbara não vai querer ir, mas depois de amanhã eu vou à capital buscar Clarissa pro aniversário dela. Quer ir comigo?
- Opa, claro que sim, tia! Fiquei de férias forçadas no conservatório mesmo...
- Depois nóis aproveita e começa a gastar a grana da indenização em todos aqueles shoppings da capital. Suas roupas tão de dar vergonha, olha só pra esse saco de batata, menina...
- Pôxa, comprei essa ontem, tia!
- Sério? De que mendiga?
- Tia Floooooor...

Um comentário:

  1. As ilustrações deram uma animada ao blog, e os diálogos estão reais. É preciso atualizar pelo menos duas vezes por semana, para não perder o fio da meada e continuar caprichando no visual. Teve uma ilustração de Alexia que não ficou boa. Ela mudou de repente, parecendo ter engordado dez quilos em um dia. O exagero é de desenho animado,mas está bom.

    ResponderExcluir